Professores indígenas e processos de territorialização na cidade de Manaus/AM/Brasil

Altaci Corrêa Rubim

Abstract


Os povos indígenas no Amazonas estão em constante movimentação de idas e vindas de suas terras no interior do Amazonas para as cidades, principalmente para a grande metrópole denominada Manaus, capital do estado do Amazonas. Ao chegar à cidade grande, vão morar nas periferias e passam a ficar expostos e à mercê das problemáticas vivenciadas pelas minorias étnicas, o que os leva a uma tomada de decisão em relação às organizações indígenas na cidade. O presente artigo versa sobre a diversidade cultural indígena em Manaus/AM/Brasil. Apresenta a elaboração da identidade do professor indígena num novo processo de territorialização em que o campo empírico foi a cidade de Manaus. Nesse novo processo, os agentes sociais se reorganizam, formando um movimento coletivo com diferentes etnias, em prol de reivindicações específicas, reelaborando e ressignificando conceitos, impondo a sua classificação. Nesse sentido, o principal objetivo deste estudo é dar visibilidade às identidades coletivas da cidade, aos processos de reorganização social das comunidades indígenas que demarcam suas territorialidades específicas na cidade e às reivindicações por uma Escola Diferenciada.

 


 

 




DOI: http://dx.doi.org/10.13125/américacrítica/2997

NBN: http://nbn.depositolegale.it/urn%3Anbn%3Ait%3Aunica-22240

Metriche dell'articolo

Caricamento metriche ...

Metrics powered by PLOS ALM

Refback

  • Non ci sono refbacks, per ora.


 

América Crítica è pubblicata dall'Università di Cagliari - Il supporto ICT, lo sviluppo e la manutenzione di questa installazione di OJS sono forniti da UniCA Open Journals, gestito dal Sistema Bibliotecario di Ateneo.